IndieVisível,Podcast IndieVisível

Podcast IndieVisível #5 – Violência nos Jogos

8 mar , 2018  

Saudações!

Em 2016, aqui no Brasil tivemos uma polêmica envolvendo jogos onde nosso até então Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que a apologia à violência nos jogos incentivava crimes. Gravamos esse episódio especialmente para levantar esse debate, mas a conversa nunca foi ao ar. Hoje, novamente os jogos são pauta como incentivadores de violência, mas dessa vez pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Hoje, no dia 08/03/2018, Trump se reunirá com diversas desenvolvedoras de jogos pra discutir o assunto. Achamos importante incentivar essa discussão por aqui também.

Leia mais…

, , , , , , , , , ,

IndieVisível,Podcast IndieVisível

Podcast IndieVisível #4 – Representação Cultural dos Jogos

2 mar , 2018  

Saudações!

O Pantera Negra vem sendo um grande sucesso ao redor do mundo. E muito se fala sobre o poder da obra devido à sua diversidade cultural. Mas e os jogos? Eles também possuem pluralidade cultural? O que são as representações culturais? Tem algum jogo que faça isso de uma maneira madura?

Leia mais…

, , , , , , , , , , , ,

Especial IndieVisível,IndieVisível

Crítica | Black Panther

17 fev , 2018  

Homens sábios constroem pontes; tolos constroem barreiras”.

Black Panther seria um filme bom se não fosse um filme excelente. É uma afirmação um pouco confusa, mas as principais bases pra ela estão nas raízes do “padrão Marvel” de qualidade: se fosse despido de toda a sua significância histórica e cultural, Black Panther ainda seria uma obra bem feita, absolutamente decente/aceitável em termos de compasso e técnica. No entanto, a Marvel levou dez longos anos e 17 tentativas pra arriscar uma passeada pela excelência, então tentar separar técnica e compasso da significância que os engrandece é quase imoral a essa altura.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Podcast IndieVisível

Podcast IndieVisível #3 – Nintendo Labo e o poder do brincar nos videogames

15 fev , 2018  

Saudações!

Continuando as conversas de 2018, fomos surpreendidos com a Nintendo e sua recente invenção feita de papelão. Afinal, o que representa o Labo, e por que é algo que só poderia ter sido idealizado pela Nintendo? O que podemos esperar dessa iniciativa daqui em diante?

Escute esse episódio para saber o que achamos de tudo isso!

Leia mais…

, , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Podcast IndieVisível

Podcast IndieVisível #2 – A voz e a vez dos Indie Games

1 fev , 2018  

Saudações!

Depois de um tempo prolongado de férias, os três indies estão de volta pra falar um pouco sobre o momento da indústria de jogos – especificamente dos estúdios independentes. Será que o mercado será completamente mudado daqui pra frente com produções independentes? Será que os jogos independentes são melhores que jogos AAA?

Escute esse debate completamente independente e underground e tire suas próprias conclusões!

Leia mais…

, , , , , , , , , ,

IndieVisível,Jogando a Sério

Um mundo de possibilidades

26 jan , 2018  

Decidi escrever esse texto por causa da experiência fantástica que vivi com The Witcher 3.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Jogando a Sério

Não é só uma pose, saca?

25 abr , 2016  

No final de março a indústria de jogos foi consumida mais uma vez pelo debate sobre liberdade artística e igualdade de gêneros. Isso porque a Blizzard cometeu um deslize adicionando uma pose sensual para a personagem Tracer do jogo Overwatch. Mas por que “deslize”, se tantas outras personagens esbanjam sensualidade nos jogos? Bem, porque adicionar uma pose sexy pra Tracer não tem absolutamente nada a ver com a mensagem que a Blizzard queria passar sobre a personalidade da personagem.

E você pode dizer: “Mas uma pose ia mudar tanto assim a personalidade da personagem?”. E a resposta correta é: não é “só uma pose”. É a deturpação da identidade da personagem.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,IndieVisível Recomenda

IndieVisível Recomenda #2: Papo & Yo

1 abr , 2016  

De vez em quando aparecem aqueles jogos que te atingem tão profundamente que parece que de alguma forma o criador escutou você e suas angústias. Momentos que você achou que tinha esquecido acabam sendo relembrados, mas de um ponto de vista completamente diferente. Você muda aos poucos sua perspectiva sobre o mundo, sobre si mesmo, e por fim ainda consegue descobrir que da maior das dores pode sair algo bonito. Foi assim que me senti com Papo & Yo.

Leia mais…

, , , , , , , , , , ,