Especial IndieVisível,IndieVisível,Jogando a Sério

Resident Evil: 20 anos de um jogo que se perdeu

28 mar , 2016  

Resident Evil é um dos maiores (senão o maior) marcos na história dos videogames de terror. O jogo lançado em 1996 pela Capcom atraiu uma legião de fãs que se estende até os dias atuais. O título permanece guardado na memória de muitos como um dos melhores jogos do gênero survival horror já feitos, além de ser um dos games mais importantes da indústria como um todo.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Podcast IndieVisível

Podcast IndieVisível #1: “Não são só joguinhos”

19 mar , 2016  

Saudações!

Para celebrar o retorno do IndieVisível, temos aqui um podcast bacanudo para vocês! Este é o primeiro cast que fazemos inteiramente com a equipe do blog, e também o primeiro de uma série que vem por aí. 😉

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Jogando a Sério

Não foram os tempos que mudaram; você que continua um bosta

4 mar , 2016  

A essa altura você provavelmente já ficou sabendo sobre toda treta que rolou sobre o Oscar. Se não sabe, vale a pena se atualizar: esse ano o diretor Spike Lee (Malcom X, Inside Man e Oldboy – o remake, não o original) e a atriz Jada Smith (que interpreta a Niobe em Matrix Reloaded/Revolution e que recentemente fez a incrível Fish Mooney no seriado Gotham) anunciaram que não participarão da cerimônia do Oscar esse ano. O motivo do boicote? Muito simples: por dois anos consecutivos, entre todos os indicados aos prêmios de atuação não há nenhum negro.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,IndieVisível Recomenda

IndieVisível Recomenda #1: Spelunky

2 mar , 2016  

Sabe quando você acaba de finalizar um jogo e fica sem ideias do que jogar? Ou quando você vê tantas opções e não sabe qual escolher? Até mesmo quando você fica lendo várias e várias reviews dos mesmos jogos, mas nenhuma delas te convence se você quer jogar um determinado título ou não? Pensando nessas situações, criamos o IndieVisível Recomenda.

Queremos compartilhar com vocês alguns títulos que achamos interessantes e dividir um pouco da nossa experiência com eles. Quem sabe você não se empolga pra experimentar um desses jogos?

Leia mais…

, , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Jogando a Sério

Tipos Narrativos – A aula que seu professor nunca deu

2 mar , 2016  

Faço parte daquela minoria que realmente gostava das aulas de Literatura. Um comportamento tão estranho que, quando eu respondi alegremente o ano exato da chegada do movimento Romântico ao Brasil, meu professor soltou a pérola “e aqui vocês vêem o exemplo de alguém que não tem vida social”. Bom, não posso dizer que ele estava errado.

Jogos são um acréscimo recente à minha lista de atividades. Minha mãe era professora e não ganhava o bastante para pagar uma babá para mim. A criativa solução que ela encontrou foi ficarmos ambas em período integral na escola em que eu estudava e ela dava aula. Parte do período eu estava em aula. Na outra metade “ociosa” eu tinha duas opções: assistir às aulas dela (de turmas mais avançadas) ou invadir a biblioteca ou a saleta onde ficavam guardados os livros novos. Em geral, eu escolhia a segunda opção: adorava aquele cubículo minúsculo com pilhas de livros, por trás dos quais eu literalmente podia me esconder.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , , , ,

Especial IndieVisível,IndieVisível

Shun de Andrômeda: como quebrar estereótipos

2 mar , 2016  

Saint Seiya (ou como é popularmente conhecido: Cavaleiros do Zodíaco) foi um anime de grande sucesso no Brasil durante a década de 90. O desenho narra as aventuras de Seiya e seus companheiros cavaleiros que devem proteger Atena à todo custo para garantir a paz na Terra. Você com certeza conhece essa obra, e talvez não a considere algo tão incrível assim (e de certa forma, você está certo), mas é inegável o sucesso que ela fez e a importância que tem para os animes até hoje.

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Jogando a Sério

Criatividade, diversidade e as amarras sociais

2 mar , 2016  

Provavelmente você acompanhou o caso do garoto Ahmed Mohamed que saiu da escola detido e algemado por construir um relógio. O objeto foi confundido pela professora com uma bomba. Mesmo depois de o “mal-entendido” ser solucionado, o garoto foi punido com três dias de suspensão. Belo estímulo, não acham?

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , ,

IndieVisível,Jogando a Sério

Entre Dark Souls e Candy Crush

2 mar , 2016  

Conforme seu nível de “dedicação” ao universo dos jogos, você provavelmente já acusou – ou já foi acusado de ser – um “casual gamer”, alguém que supostamente não se entrega às entranhas mais sangrentas do gameplay hardcore em nome de uma experiência descompromissada e mais colorida. O termo, muitas vezes usado de forma ofensiva, se tornou extremamente popular com a disseminação desenfreada dos mobile games, que – salvo um seleto punhado de exceções – geralmente não pedem de seus jogadores casuais mais do que alguns minutos ou segundos por dia.

Duas questões muito importantes e polêmicas nascem desse rolo todo: como definir os limites de um “casual gamer” e sob quais circunstâncias “ser casual” é sinônimo válido de covardia e/ou despretensão?

Leia mais…

, , , , , , , , , , , , , , , ,